fbpx

Quando o tema é segurança, a frequência de moradores nas assembleias condominiais aumenta consideravelmente. Mas qual o motivo?

Depois de elaborar e apresentar projetos de segurança há mais de duas décadas, estou credenciado a citar as principais razões, quais sejam:

 

  • Desejo de morar num lugar mais seguro;
  • Receio de aumento no valor no condomínio;
  • Preferência por investimentos em outras áreas do edifício;
  • Não querem perder regalias e comodidades e por isso são contra qualquer modificação na segurança patrimonial;
  • Entendem que o prédio é seguro e não necessita “gastar” com mudanças;
  • Têm divergências sérias com a administração atual, portanto, repudiarão firmemente qualquer alteração.

O leitor percebeu que muitos vão para a assembleia com opinião já formada. É o que chamo de “turma do contra”.

É claro que vão se opor às propostas de mudanças; rebaterão as soluções propostas com argumentos sem embasamento técnico, mas que são colocados com verbalização forte e enfática, isso com intuito de tumultuar a reunião ou de influenciar moradores que estão indecisos. Dificilmente se convencem ou mudam de opinião. Quando rebatidos com dados comprovados e estatísticas policiais referentes a invasões, alguns tentam a tática de gerar embate verbal para que ânimos sejam acirrados e a assembleia adiada.

Confira  outros conteúdos de Jorge Lordello:

 

Para que as chances de votação favorável sejam grandes e a “turma do contra” não leve vantagem, o síndico tem que criar estratégias antes e durante a votação, portanto confira:

Nove dicas para lidar com a turma do contra em condomínios:

 

  1. Importante formar conselho de segurança composto por poucos moradores, mas que tenham algum conhecimento na área de segurança condominial e sejam favoráveis a implementação de mudanças para aumentar nível de segurança;
  2.  Contratação de consultor de segurança para elaboração de projeto com a participação da administração e conselheiros;
  3. O zelador é figura importante, pois é a pessoa que sabe de todos os problemas do cotidiano em relação a segurança, pois é ele quem recebe as reclamações dos porteiros, ajudantes de limpeza e dos moradores também. Por isso, deverá o consultor experiente conversar muito com o zelador para se inteirar de todas as fragilidades existentes;
  4.  O próximo passo é a conversa que o síndico e conselheiros devem ter com moradores que já se pronunciaram sobre o tema segurança e que estão preocupados com a possibilidade de tentativa de invasão;
  5. Buscar aproximação também com moradores sabidamente indecisos em relação ao tema segurança e que, portanto, ainda não têm posição definida sobre a necessidade ou não de investimentos nessa área. Devem ser informados sobre estatísticas policiais de invasões a condomínios, além de assistir vídeos onde marginais penetram em prédios pulando muro ou entrando pela área de portaria ou entrada de autos. Ou seja, é necessário mostrar que após a pandemia o volume de crimes em edifícios cresceu muito e requer adequação da segurança local a essa nova realidade perigosa;
  6.  Dia antes da assembleia devem os conselheiros conversar com moradores interessados em melhorar a segurança condominial para que compareçam à reunião onde o consultor técnico irá explanar sobre as falhas e vulnerabilidades que encontrou, as soluções propostas e ainda esclarecer eventuais dúvidas dos participantes;
  7. Durante a assembleia, mesmo se a “turma do contra” pegar pesado, o melhor caminho é não entrar na mesma sintonia e evitar embates intermináveis. Cada participante tem o direito de expor seu pensamento, mas deixar claro que ao final acontecerá a votação, que deverá ser respeitada, seja qual for o resultado;
  8. Se algum morador se exceder com ofensas ou até mesmo com atitude ameaçadora ou violenta, tudo deverá ser consignado em ata e os ofendidos poderão registrar Boletim de Ocorrência e solicitar instauração de inquérito para que os ofensores sejam responsabilizados criminal e civilmente;
  9. Alguns síndicos optam pela gravação da assembleia, o que pode frear o ímpeto agressivo de participantes ou servir de prova para as eventuais vítimas.

 

Por Jorge Lordello, especialista em segurança condominial, consultor técnico para elaboração de projeto de segurança para prédios e empresas, Palestrante e Conferencista

Segurança condominial: 9 dicas para lidar com a turma "do contra". - Jorge Lordello

 

Segurança condominial: 9 dicas para lidar com a turma "do contra". - Jorge LordelloCurta nosso YouTube

Curta nosso InstagramCurta nosso Instagram

Curta nosso FacebookCurta nosso Facebook

Segurança condominial: 9 dicas para lidar com a turma "do contra". - Jorge LordelloCurta nosso LinkedIn

Segurança condominial: 9 dicas para lidar com a turma "do contra". - Jorge Lordello Confira nosso Site

Segurança condominial: 9 dicas para lidar com a turma “do contra”. 

Compartilhe com seus amigos

Artigos

Inscreva-se nos cursos SíndicoLab Play!

Colunistas SíndicoLab

Assuntos

Artigos relacionados